Fala, leitor

Histórias e ideias de quem lê Página22

fala leitorBruno Andreoni foi um dos primeiros assinantes da revista Página22, antes de a publicação tornar gratuito todo o conteúdo por meio de sua plataforma multimídia.  Fomos atrás dele para saber o que anda fazendo.  Sim, ele continua recebendo e, perdoe-nos o cabotinismo, gostando desta versão impressa da revista.

Nascido em São Paulo e formado em Turismo, Andreoni queria valorizar a cultura e a produção locais a partir de ações na área turística, mas achou pouco inovador trabalhar com o poder público.  Começou então a fazer programas de recreação com crianças e adolescentes, embalado por uma pós-graduação na área de Educação.  Foi quando conheceu e passou a integrar o quadro de colaboradores da Associação Cidade Escola Aprendiz, ou, para os mais próximos, o Aprendiz.

De estagiário a coordenador de comunicação, foram muitas as ações, os projetos e os aprendizados, ainda que em um período rápido.  Andreoni tem 27 anos e ingressou no Aprendiz em 2006.  Desde o princípio, ele guarda uma diretriz da ONG que vale a pena ser compartilhada: “Se uma cidade está pronta para uma criança, estará pronta também para o adulto”.  Em 2005, passou a organizar a formação de agentes sociais, o que lhe rendeu experiências em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, formando mão de obra em tecnologia social.

Depois, em 2008, assumiu as pesquisas avaliadoras do trabalho de formação e levantamento dos resultados.  A passagem pelo Fórum Social Mundial, em Belém, no ano seguinte, foi fundamental para se conectar com outros movimentos e pessoas que trabalhavam questões similares.  O processo o levou a assumir a área de comunicação do Aprendiz, desde a estruturação (antes sob responsabilidade externa) até criar uma linha para o projeto de comunicação e traduzir aos diversos públicos que tipo de trabalho é feito ali.  Busca da sustentabilidade, de maneira ampla e irrestrita.

Deixe uma resposta