Pelo desmatamento zero

Rainbow Warrior. Foto do Greenpeace via Flickr
Rainbow Warrior. Foto do Greenpeace via Flickr

Acabar de uma vez com o desmatamento no Brasil. Esse é o objetivo da nova campanha do Greenpeace que busca coletar 1,4 milhão de assinaturas e levar ao Congresso uma proposta de lei de iniciativa popular, nos moldes da Ficha Limpa.

A lei não pretende criminalizar todo corte de árvore, mas, sim, proteger as florestas da derrubada ilegal em larga escala. O aproveitamento de madeira, desde que feita de forma sustentável e com acompanhamento técnico seria permitido.

Segundo a campanha, acabar com o corte indiscriminado de árvores não é um sonho impossível e nem impede o desenvolvimento. “O Brasil se tornou a sexta economia do mundo, o maior exportador de carne e o segundo maior em grãos. E conseguiu esse feito ao mesmo tempo em que controlava o desmatamento na Amazônia: de um pico de 27 mil quilômetros quadrados em 2004, o índice caiu para cerca de 6.000 em 2011”, diz o site da ONG.

“Infelizmente, no debate do Código Florestal, os políticos ignoraram os alertas dos cientistas e os anseios da população. Escreveram um texto que vai contra a preservação florestal”, diz Paulo Adario, diretor da campanha Amazônia do Greenpeace. “A lei do Desmatamento Zero é a resposta da sociedade civil a esse atropelo.”

Durante a campanha, o navio do Greenpeace Rainbow Warrior vai passar por diversas cidades do país, como Manaus, Belém, Recife, Salvador, Santos e Rio de Janeiro – onde participará da Rio+20) e. Em cada parada, o navio será aberto para visitação e servirá como palco de manifestações públicas e políticas. Vai ser uma plataforma de discussões, expondo os problemas que assolam a Amazônia.

Para participar da campanha, assine a petição no site www.greenpeace.org.br. Para incentivar ainda mais colaboradores, foi lançado o desafio Liga das Florestas www.ligadasflorestas.org.br. É uma competição on-line para coletar assinaturas. Cada vez que uma pessoa convidar amigos ou compartilhar o desafio nas redes sociais, acumula pontos que podem virar prêmios como camisetas, ecobags ou bonés da ONG.

A campanha já foi apoiada por personalidades como Camila Pitanga e Marcos Palmeira (vídeo ao lado).

Deixe uma resposta