Compartilhando dinheiro

Foto de Donmacca via Flickr
Foto de Donmacca via Flickr

Para marcar o quarto aniversário da falência do Lehman Brothers e do pico da crise financeira global, haverá gente nas ruas em várias cidades neste sábado, 15 de setembro, para dar dinheiro de graça a estranhos. É o segundo ano em que acontece o Free Money Day, um evento simbólico com o intuito de iniciar conversas sobre o sistema monetário atual e alternativas a ele.

Organizado pelo Post Growth Institute, uma entidade global dedicada a criar futuros que não dependam do crescimento econômico, o Free Money Day conclama os cidadãos a juntar notas de baixo valor e moedas e doá-las ao público para salientar os benefícios de uma economia baseada no compartilhamento. A ideia é doar duas notas ou moedas de cada vez, para que o recipiente guarde uma e doe a outra.

O Post  Growth Institute diz que a intenção não é defender o fim do dinheiro, mas “questionar como que tantos de nós acabamos trabalhando horas demais, incorrendo em dívidas demais, e os efeitos adversos que isso tem sobre nossas vidas”. Além disso, os organizadores esperam “interromper o sinal do programa que rodamos sub-conscientemente, acreditando sempre que nunca temos o suficiente”.

Muita gente pode se surpreender ao descobrir que tem o suficiente para compatilhar um pouco no dia 15 de setembro. Mais surpreendente ainda pode ser encontrar dificuldade para achar quem aceite o dinheiro. Foi o caso de um participante no ano passado, na cidade de Brisbane.

“Levou cerca de 45 minutos para que eu conseguisse dar 20 dólares”, disse ele. “A maioria das pessoas está em um transe. Estão tão ocupadas em chegar ao trabalho para ganhar dinheiro que não aceitam uma interrupção para receber dinheiro de graça”.

Boa parte das pessoas quer saber “qual a pegadinha” quando encontra alguém dando dinheiro de graça. Os organizadores reforçam que não há pegadinha, apenas o intuito de mostrar não é a escassez, mas a desigualdade.

Até a sexta-feira, quase 100 eventos estavam programados em 18 países.

Deixe uma resposta