Pesquisa mostra a necessidade de selos ambientais e reforça o alto impacto do consumo de carne

Pesquisa publicada na Science mostra como diferentes práticas de produção e localizações geográficas levam a impactos ambientais bem diversos entre si. Isso reforça a necessidade de tecnologias para monitorar a agricultura e da aplicação de selos ambientais em produtos alimentícios. Ainda assim, é possível afirmar que o impacto da produção de proteína animal, mesmo quando bem manejada, é bem superior aos demais alimentos

Pesquisadores da Universidade Oxford e do instituto suíço de pesquisa agrícola Agroscope criaram o mais abrangente banco de dados sobre os impactos ambientais de quase 40 mil fazendas e 1.600 processadores, varejistas e tipos de embalagens. Isso permite avaliar como diferentes práticas de produção e localizações geográficas no mundo levam a impactos ambientais diferentes para 40 tipos de alimentos mais consumidos.

Eles encontraram grandes diferenças no impacto ambiental entre os produtores do mesmo produto. Os produtores de carne chamadas de “alto impacto” emitem 105 kg de carbono equivalente e usam 370 metros quadrados de terra por 100 gramas de proteína, número 12 e 50 vezes maior do que os produtores de carne de “baixo impacto”. Feijões, ervilhas e outras proteínas vegetais de baixo impacto podem emitir apenas 0,3 kg de carbono equivalente (incluindo todo o processamento, embalagem e transporte) e usar apenas 1 metro quadrado de terra por 100 gramas de proteína.

A aquicultura, supostamente com emissões menores, pode emitir mais metano e criar mais gases do efeito estufa do que as vacas. Um litro de cerveja pode gerar 3 vezes mais emissões e usar 4 vezes mais terra do que o outro. Essa variação nos impactos é observada em todos os cinco indicadores que os pesquisadores avaliam, incluindo o uso da água, a eutrofização e a acidificação.

“Duas coisas que parecem as mesmas nas lojas podem ter impactos extremamente diferentes no planeta. Atualmente, não sabemos disso quando fazemos escolhas sobre o que comer. Além disso, essa variabilidade não é totalmente refletida nas estratégias e políticas destinadas a reduzir os impactos dos agricultores”, diz Joseph Poore, do Departamento de Zoologia e da Escola de Geografia e Meio Ambiente da Universidade Oxford

A agricultura possui milhões de diversos produtores. Toda essa diversidade gera variação no impacto ambiental e também torna difícil encontrar soluções para esses problemas. Uma abordagem para reduzir os impactos ambientais ou aumentar a produtividade que é eficaz para um produtor pode ser ineficaz para outro. Este é um setor onde se exige muitas soluções diferentes para milhões de produtores diferentes.

 

University of Oxford

Esses gráficos mostram os impactos ambientais de 9 animais e 6 produtos vegetais de uma amostra de aproximadamente 9 mil  fazendas ao redor do mundo. Os resultados para mais 25 produtos alimentícios cobrindo aproximadamente 30 mil fazendas, bem como os resultados para o uso da água são detalhados no estudo (acesse aqui a versão completa publicada na revista Science).

Os pesquisadores descobriram que a variabilidade no sistema alimentar não se traduz em produtos animais com impactos menores que os equivalentes vegetais. Por exemplo, um litro de baixo impacto de leite de vaca usa quase duas vezes mais terra e gera quase o dobro das emissões do que um litro médio de leite de soja.

As dietas livres de produtos animais, portanto, proporcionam maiores benefícios ambientais do que a compra de carne ou laticínios sustentáveis.

Além disso, sem grandes mudanças na tecnologia em produtos de origem animal, os pesquisadores mostram que as dietas livres de produtos de origem animal provavelmente proporcionarão maiores benefícios ambientais do que as práticas de mudança de produção hoje e no futuro.

Especificamente, as dietas baseadas em vegetais reduzem as emissões de alimentos em até 73%, dependendo de onde você mora. Esta redução não se deve apenas às emissões de gases com efeito de estufa, mas também às emissões acidificantes e eutrofizantes que degradam os ecossistemas terrestres e aquáticos. O consumo de água doce também cai em um quarto. Talvez de maneira mais surpreendente, exigiríamos cerca de 3,1 bilhões de hectares (76%) menos terras agrícolas. “Isso tiraria pressão das florestas tropicais do mundo e liberaria a terra de volta à natureza”, diz Joseph Poore.

Os pesquisadores mostram que podemos aproveitar os impactos ambientais variáveis para acessar um segundo cenário. Reduzir o consumo de produtos de origem animal em 50% evitando os produtores de maior impacto atinge, por exemplo, 73% da redução de emissões de GEE da dieta baseada em vegetais. Além disso, reduzir o consumo de produtos discricionários (óleos, álcool, açúcar e estimulantes) em 20%, evitando os produtores de alto impacto, reduz as emissões de gases de efeito estufa desses produtos em 43%.

Isso cria um efeito multiplicador, no qual pequenas mudanças comportamentais têm grandes consequências para o ambiente. No entanto, esse cenário exige a comunicação dos impactos ambientais do produtor (não apenas do produto) aos consumidores. Isto poderia se dar por meio de selos ambientais em combinação com impostos e subsídios.

“Precisamos encontrar maneiras de mudar ligeiramente as condições, por isso é melhor para produtores e consumidores agir em favor do meio ambiente”, diz Joseph Poore. Os rótulos ambientais e os incentivos financeiros dariam suporte a um consumo mais sustentável, ao mesmo tempo em que criariam um ciclo positivo: os agricultores precisariam monitorar seus impactos, incentivando uma melhor tomada de decisão; e comunicar seus impactos aos fornecedores, incentivando uma melhor terceirização.