Mercado de finanças sustentáveis atinge valor recorde de US$ 247 bi

Emissão de produtos de dívida sustentáveis subiu 26% para US$ 247 bilhões no ano passado. O crescimento foi turbinado por um leque de inovações que vão além dos green bonds, como os empréstimos vinculados à sustentabilidade

[Para saber mais sobre finanças sustentáveis, acesse esta edição da Página22]

O mercado de finanças sustentáveis subiu em 2018, com um valor recorde de US$ 247 bilhões em instrumentos de dívida baseados em sustentabilidade levantados durante o ano, de acordo com a última pesquisa da BloombergNEF (BNEF). A emissão de títulos verdes totalizou US $ 182,2 bilhões em 2018, enquanto um novo produto, os empréstimos vinculados à sustentabilidade, alcançaram US$ 36,4 bilhões.

O mercado de dívida sustentável é composto por títulos e empréstimos rotulados que financiam projetos com benefícios ambientais, sociais ou uma mistura de ambos. Muitos investidores procuram essas ofertas de dívida para cumprir seus próprios objetivos e compromissos ambientais e sociais.

Os empréstimos vinculados à sustentabilidade são empréstimos a prazo ou linhas de crédito que vêm com um mecanismo de precificação de sustentabilidade. O mecanismo de precificação é tipicamente vinculado à pontuação de sustentabilidade ou ao desempenho do mutuário, que pode subir ou descer.

O foco do mercado tem sido, historicamente, os títulos verdes (green bonds), que foram utilizados pela primeira vez pelos bancos europeus por volta de 2007 para financiar projetos de energia limpa. A partir daí, também foram emitidos por governos e uma ampla gama de empresas. Embora os títulos verdes continuem a representar a maior parte do mercado, a atenção está agora mudando para uma faixa mais ampla de títulos e empréstimos sustentáveis.

Source: BloombergNEF, Bloomberg L.P.; Note: ‘Other’ includes labeled blue bonds
Source: BloombergNEF, Bloomberg L.P.; Note: ‘Other’ includes labeled blue bonds

 

Como resultado, o crescimento dos títulos verdes desacelerou para 5% em 2018, em comparação com 68% em 2017, enquanto os empréstimos ligados à sustentabilidade aumentaram 677%.

Por exemplo, em novembro de 2018, a concessionária de eletricidade francesa EDF concordou com uma linha de 4 bilhões de euros com preços indexados aos principais indicadores de desempenho de sustentabilidade do grupo. Se a empresa apresentar um desempenho inferior às suas metas, a margem da linha de crédito aumentará e, se superar, a margem diminuirá.

Dan Shurey, diretor de finanças verdes e sustentáveis da BNEF, disse: “Mais investidores em mercados de dívida estão exigindo benefícios sociais e verdes duplos, e mais investidores estão exigindo opções de sustentabilidade personalizadas. Os mercados estão reagindo, com novos produtos surgindo, como empréstimos verdes, papéis comerciais verdes e empréstimos vinculados à sustentabilidade. Isso ajudou a tornar 2018 o sétimo ano consecutivo de emissão recorde de financiamento sustentável desde o início do mercado de títulos verdes. ”

As empresas não são as únicas a serem pioneiras em dívidas sustentáveis – um número crescente de governos está emitindo seus próprios instrumentos de dívida com um rótulo sustentável, o que significa que o dinheiro arrecadado será destinado a projetos ambientais ou sociais.

Aiman Mallah, analista de pesquisa de finanças sustentáveis da BNEF, disse: “A dívida soberana verde atingiu US$ 17,6 bilhões em 2018 – um aumento de 64% em relação a 2017, graças à emissão inaugural de países como Bélgica e Irlanda, além de mais títulos franceses. Esses governos estão aumentando a dívida para cumprir metas ambientais nacionais e internacionais, particularmente na mitigação e adaptação às mudanças climáticas. ”

Novas políticas para expandir o financiamento sustentável proliferaram em 2018, com os governos competindo para se tornarem centros internacionais para esses produtos de investimento. No ano, Hong Kong e Japão estabeleceram programas para incentivar o crescimento do mercado, enquanto a Comissão Europeia fez progressos para criar um padrão de títulos verdes.

Os dois líderes na emissão de dívida sustentável em 2018 foram os EUA e a China. Nos EUA, cerca de U$$ 45,4 bilhões em produtos de dívida sustentáveis chegaram ao mercado, superando em muito os US$ 25,5 bilhões da China. A gigante hipotecária Fannie Mae foi responsável pela grande maioria da emissão dos EUA, graças a seus ambiciosos programas de financiamento verde. Removendo os títulos lastreados em hipotecas comerciais verdes do quadro, o total de US$ 25,6 bilhões em 2018 – notavelmente semelhante aos volumes vistos na China.

A BNEF publicará no final deste mês uma análise detalhada do mercado financeiro sustentável em sua primeira Perspectiva Anual do Mercado de Finanças Sustentáveis.