Dietas que salvam a saúde humana e a vida no planeta

Segundo relatório publicado pela revista The Lancet, a dieta e a produção de alimentos devem mudar radicalmente para melhorar a saúde e evitar danos potencialmente catastróficos ao planeta. Acesse aqui o estudo na íntegra; abaixo, os principais pontos:

  • Alimentar uma população crescente de 10 bilhões de pessoas até 2050 com uma dieta saudável e sustentável será impossível sem transformar hábitos, melhorar a produção e reduzir o desperdício. Os primeiros parâmetros científicos para uma dieta saudável que coloque o consumo de alimentos saudáveis dentro dos limites do nosso planeta exigirão uma mudança significativa, mas estão ao nosso alcance.
  • O padrão alimentar diário consiste de aproximadamente 35% de calorias como grãos integrais e tubérculos, fontes de proteína principalmente de plantas – mas incluindo aproximadamente 14g de carne vermelha por dia – e 500 g por dia de vegetais e frutas.
  • A mudança para esse novo padrão alimentar exigirá que o consumo global de alimentos, como carne vermelha e açúcar, diminua em cerca de 50%, enquanto o consumo de nozes, frutas, verduras e legumes deve dobrar.
  • Dietas não saudáveis são a principal causa de problemas de saúde em todo o mundo e seguir esta dieta poderia evitar aproximadamente 11 milhões de mortes prematuras por ano.
  • A dieta pode existir dentro dos limites planetários para a produção de alimentos, como o uso da terra, nutrientes, água doce e perda de biodiversidade e mudança climática.

A transformação do sistema global de alimentos é urgentemente necessária, pois mais de 3 bilhões de pessoas são desnutridas (incluindo pessoas que estão subnutridas e desnutridas), e a produção de alimentos está ultrapassando os limites do planeta –impulsionando as mudanças climáticas, perda de biodiversidade e poluição devido à aplicação excessiva de nitrogênio fertilizantes a base de fósforo, bem como mudanças insustentáveis no uso da água e da terra.

Os resultados são da Comissão EAT-Lancet, que fornece os primeiros parâmetros científicos para uma dieta saudável a partir de um sistema sustentável de produção de alimentos que opera dentro dos limites planetários para alimentos. O relatório promove dietas que consistem em uma variedade de alimentos à base de plantas, com baixas quantidades de alimentos de origem animal, grãos refinados, alimentos altamente processados e açúcares adicionados e com gorduras insaturadas em vez de saturadas.

As dietas humanas vinculam a saúde e a sustentabilidade ambiental, e têm o potencial de nutrir ambas. No entanto, as dietas atuais estão empurrando a Terra além de seus limites planetários, ao mesmo tempo que causam problemas de saúde. Isso coloca as pessoas e o planeta em risco. O fornecimento de dietas saudáveis a partir de sistemas alimentares sustentáveis é um desafio imediato, pois a população continua a crescer – a projeção é atingir 10 bilhões de pessoas até 2050 – e ficar mais rica (com a expectativa de maior consumo de alimentos de origem animal).

Para enfrentar esse desafio, as mudanças na dieta devem ser combinadas com uma melhor produção e com a redução do desperdício de alimentos. Os autores enfatizam que uma colaboração e compromisso globais sem precedentes serão necessários, juntamente com mudanças imediatas, como redirecionar a agricultura para produzir culturas ricas em nutrientes e aumentar a governança do uso da terra e do oceano.

“A comida que ingerimos e a maneira como a produzimos determinam a saúde das pessoas e do planeta, e atualmente estamos errando seriamente”, diz um dos autores da comissão, o professor Tim Lang, da Universidade de Londres, Reino Unido.

“Precisamos de uma revisão significativa, mudando o sistema alimentar global em uma escala nunca vista antes, de maneira apropriada às circunstâncias de cada país. Embora este seja um território político não mapeado e esses problemas não sejam facilmente corrigidos, essa meta está ao alcance e há oportunidades para adaptar as políticas internacionais, locais e comerciais. As metas científicas que planejamos para uma dieta saudável e sustentável são uma base importante que sustentará e impulsionará essa mudança. ”[1]

A Comissão é um projeto de três anos que reúne 37 especialistas de 16 países com experiência em saúde, nutrição, sustentabilidade ambiental, sistemas alimentares, economia e governança política.

Parâmetros científicos para a “dieta de saúde planetária”

Embora o aumento da produção de alimentos tenha contribuído para a melhoria da expectativa de vida e para a redução da fome, mortalidade infantil e pobreza global nos últimos 50 anos, esses benefícios estão sendo anulados por mudanças globais em direção a dietas pouco saudáveis, altas em calorias, açúcar, amidos refinados e alimentos à base de animais e baixo teor de frutas, legumes, grãos integrais, legumes, nozes e sementes e peixe.

Os autores argumentam que a falta de parâmetros científicos para uma dieta saudável tem dificultado os esforços para transformar o sistema alimentar. Com base nas melhores evidências disponíveis, a Comissão propõe um padrão alimentar que atenda aos requisitos nutricionais, promova a saúde e permita que o mundo permaneça dentro dos limites planetários.

Em comparação com as dietas atuais, a adoção global das novas recomendações até 2050 exigirá que o consumo global de alimentos como carne vermelha e açúcar diminua em mais de 50%, enquanto o consumo de nozes, frutas, verduras e legumes deverá aumentar mais que duas vezes.

Os parâmetros globais precisarão ser aplicados localmente – por exemplo, os países da América do Norte comem quase 6,5 vezes a quantidade recomendada de carne vermelha, enquanto os países do sul da Ásia comem apenas metade do valor recomendado. Todos os países estão consumindo mais vegetais ricos em amido (batatas e mandioca) do que o recomendado, com consumos que variam entre 1,5 vezes acima da recomendação, no sul da Ásia, e 7,5 vezes, no caso da África Subsaariana. (veja abaixo o atual consumo de alimentos no mundo e as quantidades recomendadas na linha pontilhada)

The_great_food_transformation_Lancet_EAT_Commission

“As dietas do mundo devem mudar drasticamente. Mais de 800 milhões de pessoas têm comida insuficiente, enquanto muitas mais consomem uma dieta pouco saudável que contribui para a morte prematura e doenças”, diz o comissário Walter Willett, da Universidade de Harvard, EUA.

“Para ser saudável, as dietas devem ter uma ingestão calórica apropriada e consistir em uma variedade de alimentos à base de vegetais, baixas quantidades de alimentos de origem animal, gorduras insaturadas em vez de saturadas e poucos grãos refinados, alimentos altamente processados e açúcares adicionados. As faixas de ingestão de alimentos que sugerimos permitem flexibilidade para acomodar vários tipos de alimentos, sistemas agrícolas, tradições culturais e preferências alimentares individuais – incluindo numerosas dietas onívoras, vegetarianas e veganas. ”[1]

Com base em uma dieta de 2.500 kcal / dia [2], a meta consiste de uma ingestão diária combinada de:

Grupo alimentar Faixa de ingestão de macronutrientes (gramas / dia), faixas incluídas Ingestão calórica (kcal/dia)
Principais fontes de carboidratos – 0-60% de energia
Grãos integrais (como arroz, trigo, milho), secos 232 gramas (ajustado para atingir a meta de energia) 811
Legumes ricos em amido (batata e mandioca) 50 (0-100) gramas 39
Proteína – cerca de 15% do consumo de energia
Carne de vaca ou cordeiro 7 (0-14) gramas 15
Porco 7 (0-14) gramas 15
Aves 29 (0-58) gramas 62
Ovos 13 (0-25) gramas (cerca de 1,5 ovos por semana) 19
Peixes (incluindo mariscos) 28 (0-100) gramas 40
Feijões secos, lentilhas ou ervilhas 50 (0-100) gramas 172
Alimentos à base de soja, secos 25 (0-50) gramas 112
Amendoim 25 (0-75) gramas 142
Nozes 25 (0-75) gramas 149
Laticínios (leite integral e laticínios, como queijo) 250 (0-500) gramas 153
Frutas e vegetais
Vegetais 300 (200-600) gramas, incluindo 100 gramas de vegetais verde-escuros, 100 gramas de legumes vermelhos e laranjas e 100 gramas de outros vegetais Vegetais verde-escuros – 23
Legumes vermelhos e laranja – 30
Outros vegetais – 25
Frutas 200 (100-300) gramas 126
Gorduras adicionadas
Óleo de palma (dendê) 6,8 (0-6,8) gramas 60
Óleos insaturados (óleo de oliva, soja, colza, girassol e amendoim) 40 (20-80) gramas 354
Gorduras lácteas (como manteiga) 0 gramas 0
Banha ou sebo 5 (0-5) gramas 36
Açúcares adicionados
Todos os adoçantes 31 (0-31) gramas 120

Os autores estimam que a adoção generalizada de tal dieta melhoraria a ingestão da maioria dos nutrientes – aumentando a ingestão de ácidos graxos mono e poliinsaturados saudáveis e reduzindo o consumo de gorduras saturadas insalubres. Também aumentaria a ingestão de micronutrientes essenciais (como ferro, zinco, folato e vitamina A, bem como o cálcio em países de baixa renda), exceto a vitamina B12, cuja suplementação ou a fortificação podem ser necessárias em algumas circunstâncias.

Eles também modelaram os efeitos potenciais da adoção global da dieta em mortes por doenças relacionadas à dieta. Três modelos cada mostraram grandes benefícios para a saúde, sugerindo que a adoção da nova dieta globalmente poderia evitar entre 10,9 e 11,6 milhões de mortes prematuras por ano – reduzindo as mortes de adultos entre 19 e 23,6%.

Os autores destacam que as evidências sobre dieta, saúde humana e sustentabilidade ambiental estão em constante evolução e incluem incerteza, por isso incluem intervalos em suas estimativas, mas confiam no quadro geral. Professor Lang diz: “Enquanto grandes transformações no sistema alimentar ocorreram na China, Brasil, Vietnã e Finlândia no século 20, e ilustram que dietas podem mudar rapidamente, a humanidade nunca teve a intenção de mudar radicalmente o sistema alimentar a tal velocidade ou escala. As pessoas podem advertir sobre consequências não intencionais ou argumentar que a ação é prematura, no entanto, a evidência é suficiente e forte o bastante para justificar uma ação, e qualquer atraso aumentará a probabilidade de não alcançar metas essenciais de saúde e clima. ”[1]

Desde meados da década de 1950, o ritmo e a escala da mudança ambiental cresceram exponencialmente. A produção de alimentos é a maior fonte de degradação ambiental. Para ser sustentável, a produção de alimentos deve ocorrer dentro das fronteiras planetárias relacionadas a alimentos para as mudanças climáticas, perda de biodiversidade, uso da terra e da água, bem como para os ciclos de nitrogênio e fósforo. No entanto, a produção também deve ser intensificada de forma sustentável para atender às crescentes demandas alimentares da população mundial.

Isso exigirá a descarbonização da produção agrícola, eliminando o uso de combustíveis fósseis e as perdas de CO2 na agricultura. Além disso, a perda zero de biodiversidade, a expansão líquida zero de terras agrícolas em ecossistemas naturais e melhorias drásticas nas eficiências do uso de fertilizantes e água são necessárias.

Os autores estimam as emissões mínimas e inevitáveis de gases de efeito estufa se quisermos fornecer alimentos saudáveis para 10 bilhões de pessoas até 2050 [3]. Eles concluem que as emissões dos gases de efeito estufa não-CO2 de metano e óxido nitroso [4] permanecerão entre 4,7-5,4 gigatoneladas em 2050, com emissões atuais já estimadas em 5,2 gigatoneladas em 2010. Isto sugere que a descarbonização do sistema energético mundial deve progredir mais rápido do que o previsto, para acomodar a necessidade de alimentar os seres humanos de forma saudável, sem danificar ainda mais o planeta.

O uso de fósforo também deve ser reduzido (de 17,9 para entre 6-16 teragramas), assim como a perda de biodiversidade (de 100 para entre 1-80 extinções por milhão de espécies a cada ano).

Com base em suas estimativas, os atuais níveis de uso de nitrogênio, terra e água podem estar dentro do limite projetado para 2050 (de 131,8 teragramas em 2010 para entre 65-140 em 2050, de 12,6 milhões de km2 em 2010 versus 11-15 milhões de km2 em 2050) e de 1,8 M km3 em 2010 contra 1-4 M km3, respectivamente), mas exigirão esforços contínuos para sustentar esse nível. As estimativas de limite estão sujeitas a incerteza e exigirão atualização e refinamento contínuos.

Usando esses parâmetros de limite, os autores modelaram vários cenários para desenvolver um sistema alimentar sustentável e fornecer dietas saudáveis até 2050. Para permanecer dentro dos limites planetários, uma combinação de mudanças importantes na dieta, melhoria na produção de alimentos por meio do aumento da agricultura e mudanças tecnológicas [5]; redução do desperdício de alimentos durante a produção e na etapa de consumo será necessária, e nenhuma medida única é suficiente para ficar dentro de todos os limites.

“Projetar e operacionalizar sistemas alimentares sustentáveis que possam fornecer dietas saudáveis para uma população mundial crescente e mais rica representa um desafio formidável. Nada menos que uma nova revolução agrícola global. A boa notícia é que não é apenas factível, temos cada vez mais evidências de que pode ser alcançado através da intensificação sustentável que beneficia tanto o agricultor, consumidor e planeta “, diz o co-chefe comissário Professor Johan Rockström, Stockholm Resilience Center, na Suécia e Potsdam Institute for Climate Impact Research, na Alemanha. [1]

“A humanidade representa agora uma ameaça à estabilidade do planeta. A sustentabilidade do sistema alimentar deve, portanto, ser definida a partir de uma perspectiva planetária. Cinco processos ambientais fundamentais regulam o estado do planeta. Nossa definição de produção sustentável de alimentos requer que não usemos terra adicional, salvaguardemos a biodiversidade existente, reduzamos o consumo de água e gerenciemos a água de maneira responsável, reduzamos substancialmente a poluição de nitrogênio e fósforo, produzamos emissões zero de dióxido de carbono e não causemos mais aumentos nas emissões de metano e óxido nitroso. Mas, ao definir e quantificar um espaço operacional seguro para os sistemas alimentares, podem ser identificadas dietas que alimentem a saúde humana e apoiem a sustentabilidade ambiental. ”, Professor Rockström acrescenta.

Cinco estratégias para transformar o sistema alimentar global

A Comissão propõe cinco estratégias para ajustar o que as pessoas comem e como são produzidas.

Em primeiro lugar, são necessárias políticas para encorajar as pessoas a escolherem dietas saudáveis, incluindo a melhoria da disponibilidade e acessibilidade a alimentos saudáveis através de logística e armazenamento aprimorados, maior segurança alimentar e políticas que promovem a compra de fontes sustentáveis. Juntamente com restrições de publicidade e campanhas de educação, a acessibilidade também é crucial, e os preços dos alimentos devem refletir custos de produção e ambientais. Como isso pode aumentar os custos para os consumidores, a proteção social para grupos vulneráveis pode ser necessária para evitar a má nutrição continuada em grupos de baixa renda.

Estratégias para reorientar a agricultura, desde a produção de grandes volumes de culturas até a produção de culturas variadas e ricas em nutrientes, são necessárias. Atualmente, pequenas e médias fazendas fornecem mais de 50% dos nutrientes essenciais na oferta global de alimentos. As políticas agrícolas globais devem incentivar os produtores a cultivar alimentos nutritivos e de origem vegetal, desenvolver programas que apoiem sistemas de produção diversificados e aumentar o financiamento de pesquisa para formas de aumentar a nutrição e a sustentabilidade. Em alguns contextos, a criação de animais é importante para a nutrição e o ecossistema, e os benefícios e riscos da criação de animais devem ser considerados caso a caso.

A intensificação sustentável da agricultura também será fundamental e deve levar em conta as condições locais para ajudar a aplicar práticas agrícolas apropriadas e gerar colheitas sustentáveis e de alta qualidade.

Igualmente, a governança efetiva do uso da terra e do oceano será importante para preservar os ecossistemas naturais e garantir a continuidade do suprimento de alimentos. Isto poderia ser conseguido através da proteção de áreas naturais intactas em terra (potencialmente através de incentivos), proibindo o desmatamento, restaurando terras degradadas, removendo subsídios prejudiciais à pesca e fechando pelo menos 10% das áreas marinhas à pesca (incluindo alto mar para criar bancos de peixes).

Por último, o desperdício de alimentos deve ser reduzido em pelo menos a metade. A maior parte do desperdício de alimentos ocorre em países de baixa e média renda durante a produção de alimentos, devido ao planejamento inadequado da colheita, falta de acesso a mercados que impedem a venda de produtos e falta de infraestrutura para armazenar e processar alimentos. É necessário um melhor investimento em tecnologia e educação para os agricultores. O desperdício de alimentos também é um problema nos países de alta renda, onde é causado principalmente pelos consumidores e pode ser resolvido através de campanhas para melhorar os hábitos de compra, ajudar a entender as datas de ‘melhor antes’ e ‘usar por’ e melhorar o armazenamento de alimentos, preparação, tamanhos das porções e uso de sobras.

Richard Horton, editor-chefe da The Lancet, diz: “A má nutrição é um fator-chave e fator de risco para doenças. No entanto, tem havido uma falha global para resolver isso. É problema de todos e de ninguém”.

Ele continua: “A transformação que a Comissão conclama não é superficial ou simples, e requer um foco em sistemas complexos, incentivos e regulamentos, com comunidades e governos em vários níveis tendo um papel a desempenhar na redefinição de como comemos. Nossa conexão com a natureza contém a resposta, e se pudermos comer de uma maneira que funcione para o nosso planeta, assim como para nossos corpos, o equilíbrio natural dos recursos do planeta será restaurado. A própria natureza que está desaparecendo tem a chave para a sobrevivência humana e planetária ”.

A Comissão EAT-Lancet é um dos vários relatórios sobre nutrição publicados pela The Lancet em 2019. A próxima Comissão – A Síndemia Global de Obesidade, Desnutrição e Mudança Climática – publicará no final deste mês.

Observações

Este estudo foi financiado pelo Wellcome Trust e EAT (especificamente do Wellcome Trust e Stordalen Foundation). O Centro de Resiliência de Estocolmo foi o coordenador científico do relatório.

[1] Citação direta do autor e não pode ser encontrada no texto do artigo.

[2] Isso leva em conta o consumo médio de energia global em torno de 2.370 kcal / dia (com alguns países sendo ainda mais alto do que isso) com base em pesos corporais específicos de cada país. A dieta corresponde às necessidades energéticas médias de um homem de 70 kg com 30 anos de idade e uma mulher de 60 kg com 30 anos cujo nível de atividade física é de moderado a alto. Ela é projetada para atender às necessidades nutricionais de indivíduos saudáveis com mais de dois anos de idade (com ingestão de energia dependendo da idade, tamanho corporal e atividade física), mas os autores observam que há considerações especiais para crianças pequenas, adolescentes e mulheres grávidas e lactantes.

[3] Isto baseia-se na expectativa de que compromissos para descarbonizar o sistema energético até 2050 (nenhum combustível fóssil para tratores, eletricidade, calor) serão atendidos globalmente, haverá emissões líquidas zero de CO2 decorrentes da mudança do uso da terra manejo sustentável da terra), e haverá maior eficiência na utilização de nitrogênio e redução das emissões de metano da pecuária ruminante.

[4] O estudo concentra-se em metano e óxido nitroso e não inclui dióxido de carbono. Isso ocorre porque a produção de alimentos é uma fonte primordial de metano e óxido nitroso, que tem 56 vezes e 280 vezes o potencial de aquecimento global (acima de 20 anos) de dióxido de carbono, respectivamente, e porque se supõe que não há insumos líquidos de carbono dióxido de carbono de combustíveis fósseis para a agricultura até 2050.

[5] Essas estimativas incluem apenas tecnologias atualmente disponíveis e comprovadas em escala.