Liberdade, igualdade, fraternidade… e sustentabilidade

Para garantir um futuro promissor às novas gerações é preciso fazer mais do cumprir as leis. É necessário mudar os paradigmas. As empresas não podem mais manter a taxa de crescimento do uso de matérias-primas e de energia dentro das matrizes atuais

Há 15 anos, participava de um grupo que reunia executivos de diversas empresas. Nossa missão era decidir o posicionamento do setor sobre questões de responsabilidade ambiental. Naquela época, acreditava que o papel de uma empresa no caso de qualquer responsabilidade (social, ambiental) era uma questão de governança e compliance. Empresas deveriam cumprir rigorosamente as leis. Se isso não bastasse, que o Estado mudasse a regulação.

Mudei de ideia. Um law enforcement (aplicação da lei) não é mais suficiente quando se trata de sustentabilidade. Em um mundo no qual diariamente são publicadas previsões alarmantes sobre o aquecimento global, em que a biodiversidade está em permanente risco, em que a riqueza está cada vez mais concentrada, em um mundo em que a população urbana não para de crescer, vivendo em cidades cada vez mais poluídas, em que a água se torna rapidamente um elemento escasso, seguir as leis simplesmente não vai garantir um futuro promissor às novas gerações.

O planeta está no limite. E não existe empresa que vá bem dentro de um sistema caminha em direção ao colapso. Portanto, a atuação e o protagonismo das empresas em assuntos ligados à sustentabilidade é uma questão de sobrevivência.

Os desafios são imensos. Não podemos manter a taxa de crescimento do uso de matérias-primas e de energia dentro das matrizes atuais. Os paradigmas precisam mudar. Se alguém tem dúvida, recomendo a leitura do relatório da Fundação Ellen MacArthur sobre plásticos nos oceanos.

Temos de avaliar o crescimento a partir de um novo modelo: o da economia circular. O conceito linear, no qual fomos educados, melhorou enormemente a renda média das economias ao longo dos séculos e, aparentemente, funcionava bem até o planeta dar perigosos sinais de esgotamento. A ideia fundadora desse modelo é produzir um bem, usá-lo, descartá-lo, fabricá-lo novamente, num processo de substituição cada vez mais acelerado, como se as matérias-primas fossem infinitas.

Como corolário desse pensamento, produção e custo direto são os únicos critérios de eficiência operacional. O objetivo é maximizar o lucro: dos acionistas e/ou dos gestores ao final do ano, na forma de bônus cheios de zeros à direita.

Em uma economia circular o objetivo é diminuir a intensidade de utilização das matérias-primas e de energia, por meio da reutilização e da reciclagem. As mercadorias de hoje são os recursos produtivos de amanhã, com os preços de ontem. Porém, não se trata somente de reciclar ou de recuperar materiais. É uma maneira diferente de ver a economia, a partir de uma perspectiva de sustentabilidade: qual o impacto das minhas ações no futuro? O que busco para o meu produto? Fazer o melhor ou produzir o menor dano?

E por que uma empresa se preocuparia com isso? Porque esse é um caminho inexorável, que pode vir by design, ou by disaster, termos cunhados na Faculdade de Bolzano, na Itália, um dos centros no mundo que se dedicam à questão.

Em by design se alinham as empresas que apostaram na sustentabilidade como alavanca de negócios. Vamos pensar na norte-americana Tesla. A empresa iniciou as suas operações em 2003, logo depois de a GM desistir de seus carros elétricos EV1. Começou devagar, desenvolvendo baterias. Depois ganhou impulso graças aos incentivos do governo da Califórnia. Hoje, experimenta recordes de valor de mercado.

Outra alternativa é a mudança do modelo de produto para pay per use – a grande novidade a que estamos assistindo –, criando uma economia colaborativa. Um caso bem brasileiro acontece nas usinas de cana-de-açúcar. Ali existe um fluxo contínuo de caminhões que percorrem milhares de quilômetros todos os dias. Já há alguns anos, as usinas deixaram de comprar pneus e passaram a comprar o serviço, pagando para os próprios fabricantes de pneus por um determinado tempo de utilização. Esses fabricantes fazem a gestão da frota e são responsáveis pela destinação do pneu usado.

A percepção de um desastre iminente pela poluição dos mares ou por mudanças climáticas nunca foi tão premente na sociedade. E essa sociedade exige padrões ambientais cada vez mais rígidos. São as famosas “externalidades”. A questão, então, deixa de ser moral e passa a ser econômica. Dito de outra forma: o que é insustentável começa a ser precificado. E, nesse caso, os materiais terão de ser entendidos de outra forma. Não pelo menor custo, mas pela maior resiliência, ou seja, pela capacidade daquele material ser utilizado várias vezes, com um mínimo de gasto de energia.

Preços são mensagens e devem refletir a dinâmica da sociedade. Com uma sociedade cada vez mais rigorosa em relação aos padrões ambientais, a mudança da tributação para acelerar modelos mais sustentáveis é irreversível.

Há 200 anos, a Revolução Francesa moldou o mundo que conhecemos, inspirada pelos ideais de liberdade, igualdade e fraternidade. Hoje vivemos uma transformação semelhante: a que introduziu o conceito de sustentabilidade ao ideário dos revolucionários franceses. E que, como naquela época, promete o terror (by desaster) às empresas e dirigentes que não se converterem aos novos tempos verdes.

*Milton Rego é engenheiro mecânico e economista pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Especialista em Gestão pela Fundação Dom Cabral, desde 2014 é o presidente-executivo da Associação Brasileira do Alumínio (Abal).