Informação para o novo século

Da redação

01.03.2012

Pelo fim da fome no mundo via Twitter

Comentários por Redação # em Da redação

COMPARTILHE:
  • Facebook
  • Twitthis
  • del.icio.us
  • FriendFeed
  • Google Bookmarks

 

Foto de divulgação Campanha Cresça via Facebook

Foto de divulgação Campanha Cresça via Facebook

Todos os dias, mais de 20 mil menções à palavra “fome” são feitas no Twitter – na maioria das vezes, sobre a satisfação de saciá-la. Embalada nesse tema e para combater a fome que aflige milhões de pessoas em todo o mundo, surgiu a iniciativa global Cresça.

A ideia da Oxfam – uma associação de organizações que trabalham pelo fim da pobreza e da desigualdade no mundo – é que cada pessoa que escrever a palavra na rede social receba uma mensagem da campanha, sendo convidada a conhecer na página do Facebook. Lá estarão vídeos sobre a desigualdade gerada pela maneira como produzimos e consumimos e o que está por trás do preço alto dos alimentos.

“Daqui a 8 anos seremos nove bilhões de pessoas no mundo e, se nada for feito, mais pessoas estarão comendo mal ou não comendo. As pessoas precisam falar sobre isso e os brasileiros não podem ficar de fora” afirma Muriel Saragoussi, coordenadora da campanha no Brasil.

Comentários e sugestões serão levados para a Rio+20 e formarão um grande mural da campanha para mostrar a todos envolvidos no sistema alimentar que é preciso discutir, achar soluções e agir agora para evitar mais sofrimento.

A campanha começa no dia 1º de março e está presente em mais de 45 países e conta com o apoio de celebridades como Coldplay e Desmond Tutu. No Brasil, varias instituições participam, entre elas o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e o Instituto para o Desenvolvimento, Meio Ambiente e Paz – Vitae Civilis e a AgênciaClick Isobar.

“O futuro alternativo se baseia na lógica da cooperação e construção de soluções compartilhadas voltadas a enfrentar os problemas das mudanças climáticas, como por exemplo, fortalecer a produção familiar e agroecológica, com políticas públicas de aproximação de produtores agroecológicos e consumidores”, avalia Adriana Charoux, pesquisadora do Idec.

Comentários

Revista Página 22 - Centro de Estudos em Sustentabilidade da EAESP - FGV
Alguns Direitos Reservados.