Agende-se

Por Carolina Derivi
A décima edição do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica) terminou em junho, na cidade de Goiás (GO), mas, até o final do ano, uma mostra itinerante vai levar os filmes vencedores nas nove categorias a várias cidades brasileiras.
É a oportunidade de se conhecer algumas raridades do cinema mundial, fora do circuito regular, como o documentário Delta, o Jogo Sujo do Petróleo, do diretor grego Yorgos Avgeropoulos, ganhador do prêmio de Melhor Longa-metragem.  O filme trata da exploração petrolífera no delta do Rio Níger, na Nigéria, e dos impactos socioambientais de vazamentos e rejeitos do combustível.
Também não faltam representantes do cinema nacional, como o filme Benzeduras, da diretora Adriana Rodrigues, que explora a interface entre o natural e o sagrado nas práticas populares de cura do interior de Goiás.  O longa amealhou o prêmio de Melhor Produção Goiana.
Depois de passar os primeiros dias de agosto no Rio de Janeiro, a mostra segue para Florianópolis, entre os dias 13 e 15, e chega a Brasília no dia 10 de setembro.
Em outubro, é a vez de São Paulo e Vitória receberem o Fica, respectivamente de 8 a 10 e de 16 a 17.  Para mais informações, acesse www.fica.art.br.
Por Carolina Derivi
A décima edição do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica) terminou em junho, na cidade de Goiás (GO), mas, até o final do ano, uma mostra itinerante vai levar os filmes vencedores nas nove categorias a várias cidades brasileiras.
É a oportunidade de se conhecer algumas raridades do cinema mundial, fora do circuito regular, como o documentário Delta, o Jogo Sujo do Petróleo, do diretor grego Yorgos Avgeropoulos, ganhador do prêmio de Melhor Longa-metragem.  O filme trata da exploração petrolífera no delta do Rio Níger, na Nigéria, e dos impactos socioambientais de vazamentos e rejeitos do combustível.
Também não faltam representantes do cinema nacional, como o filme Benzeduras, da diretora Adriana Rodrigues, que explora a interface entre o natural e o sagrado nas práticas populares de cura do interior de Goiás.  O longa amealhou o prêmio de Melhor Produção Goiana.
Depois de passar os primeiros dias de agosto no Rio de Janeiro, a mostra segue para Florianópolis, entre os dias 13 e 15, e chega a Brasília no dia 10 de setembro.
Em outubro, é a vez de São Paulo e Vitória receberem o Fica, respectivamente de 8 a 10 e de 16 a 17.  Para mais informações, acesse www.fica.art.br.

Deixe uma resposta