A cidade que aproxima

Foto: Fora do Eixo
Foto: Fora do Eixo

Imagine a cidade dos seus sonhos. Independentemente de onde mora, você deve ter uma ideia da cidade ideal, que provavelmente é um lugar bonito, seguro e com espaço para conviver com quem ama. Pelo menos na imaginação, a cidade que lhe agrada integra todas suas partes – não separa, nem exclui regiões ou pessoas.

O que faz sentindo, pois se reparar bem, é a falta dessa integração que origina os males dos centros urbanos: o congestionamento, por exemplo, surge ao separarmos moradia de trabalho; a violência urbana vem da separação entre pobres e ricos, as drogas e outras formas de abandono de vida têm origem na separação entre mães e filhos, cada vez mais cedo.

Creio que a cidade boa é aquela que aproxima. A vida na cidade prospera quando criamos pontes entre, pessoas, organizações e lugares. Neste contexto, algumas iniciativas em curso me animam e fazem crer que estamos avançando.

Estive em Maringá recentemente e fiquei positivamente impressionado. Vi um conselho de desenvolvimento econômico ativo que ajuda a planejar a cidade junto ao governo local. Fruto desta postura colaborativa, Maringá mostra-se um município superavitário, com um dos melhores índices de gestão fiscal, além de uma região de pleno emprego e com centros universitários modelos no país. Sua experiência a tornou referência internacional, e a cidade tem sido apresentada aos municípios africanos em encontros promovidos pela União das Cidades e Governos Locais (UCLG), entidade municipalista de amplitude global sediada em Barcelona.

Outro exemplo a destacar vem do setor privado. O projeto Estrada Sustentável visa transformar a rodovia Presidente Dutra numa referência nacional em termos de segurança viária, respeito ao meio ambiente, e no relacionamento com comunidades do entorno. Os encontros do projeto se dão nos municípios ao longo da estrada e contam com a participação de gestores públicos locais, de representantes da sociedade civil e das indústrias da região. Juntos, eles constroem os planos de ação que irão transformar o sistema viário e seus municípios, conectando economias, pessoas e propósitos.

Por fim, o II Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável promovido pela Frente Nacional de Prefeitos e realizado em abril em Brasília, promoveu um diálogo entre novos gestores municipais e executivos de grandes empresas para que juntos proponham alternativas para desafios como: mobilidade, resíduos, segurança, educação. Criar pontes e alinhar as metas destes dois pilares da nossa sociedade é condição para por em prática as transformações estruturais exigidas pelas cidades brasileiras.

Vários outros exemplos nos fazem crer que tem gente ativa para aproximar ideias, percepções, governos e economias. São com estas pessoas que queremos trabalhar na construção da cidade que reconcilia e aproxima.

*Mario Lima é diretor executivo de consultoria em sustentabilidade na Ernst & Young Terco

Deixe uma resposta