A ciência em marcha, literalmente

As manifestações de rua em geral possuem algumas bandeiras de luta recorrentes (seja a favor ou contra ela, dependendo do grupo que se manifesta), que vão desde questões relacionadas a liberdades civis e direitos humanos e disputas político-eleitorais até problemas mais específicos e localizados, como o preço dos alimentos e o valor das tarifas de transporte. No Brasil pós-2013, este fenômeno social ganhou uma frequência maior, reflexo dos desconfortos da população brasileira com a situação política, social e econômica do país nos últimos anos.

No entanto, mesmo a banalização da manifestação de rua no Brasil contemporâneo não consegue reduzir a surrealidade da marcha programada para o próximo dia 22 em cidades de todo o mundo, inclusive São Paulo: cientistas marchando em defesa da ciência. Sim, a ciência virou uma bandeira importantíssima em um mundo marcado cada vez mais pela mentira travestida de “pós-verdade”.

Inspirada pelas grandes manifestações realizadas por mulheres nos Estados Unidos logo após a posse de Dinald Trump como presidente do país, em janeiro passado, a Marcha pela Ciência foi planejada inicialmente como uma grande manifestação de rua na capital norte-americana, Washington, em resposta ao esvaziamento dos departamentos científicos públicos pelo novo governo. No entanto, nos últimos meses, ela adquiriu uma dimensão global, com manifestações marcadas em diversas cidades do mundo e com pautas diversificadas que giram em torno de uma questão central: a defesa da credibilidade pública da ciência.

Nos Estados Unidos, governados hoje por um notório negacionista da mudança do clima, a questão da credibilidade é mais delicada. A base eleitoral conservadora que elegeu Donald Trump no ano passado é cética quanto às conclusões científicas sobre a responsabilidade humana sobre a mudança do clima e sobre a pertinência de qualquer ação de redução de emissões para a economia norte-americana.

Esse ceticismo já foi maior no passado: nos últimos anos, a parcela de conservadores que reconhece o problema climático e a necessidade de ação imediata para contê-lo cresceu, acompanhando a consolidação da ciência do clima. Porém, com Trump na Casa Branca, teme-se que o ceticismo seja reforçado nessa base, o que se refletiria diretamente nos representantes legislativos eleitos para o Congresso norte-americano, instituição historicamente refratária a qualquer agenda relacionada a clima nos Estados Unidos.

O ataque à credibilidade da ciência não se limita à questão climática. Nos últimos anos, o movimento “anti-vacina” ganhou força em setores da sociedade norte-americana, com a crença de que as vacinas tradicionais são as responsáveis pelo avanço de distúrbios neurológicos em crianças, principalmente o autismo. Temerosos quanto aos possíveis efeitos colaterais da vacinação, alguns pais estão optando por não vacinar seus filhos, ainda que esse temor não tenha qualquer base científica que o justifique.

No Brasil, o desafio da credibilidade da ciência decorre menos da desconfiança e mais do desconhecimento completo da população com relação a ela. O desafio da falta de informação sobre ciência pelos brasileiros é potencializado pelas dificuldades estruturais que cientistas e pesquisadores enfrentam no país. Em meio a pior crise econômica de sua história, União, Estados e municípios vêm restringindo cada vez mais a destinação de recursos para apoiar o desenvolvimento científico e tecnológico. A extinção do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) pelo governo do presidente Michel Temer, em maio de 2016, foi um baque tremendo para um setor historicamente marginalizado pela gestão pública.

Em São Paulo, a Marcha pela Ciência está marcada para o próximo dia 22, a partir das 14h, no Largo da Batata
Em São Paulo, a Marcha pela Ciência está marcada para o próximo dia 22, a partir das 14h, no Largo da Batata

Liderada por alunos e professores da Universidade de São Paulo (USP), em parceria com a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), a Marcha pela Ciência em São Paulo tem como bandeira a valorização da ciência e dos cientistas brasileiros, através do aumento dos investimentos em pesquisa e desenvolvimento tecnológico, do apoio aos pesquisadores de pós-graduação e do retorno do MCTI enquanto órgão de promoção da ciência no Brasil.

Para os organizadores, a mobilização pode ser um marco importante para a democratização dos estudos científicos no país, tornando-os mais acessíveis e abertos aos demais cidadãos. “Para essas pessoas, a ciência parece complexa porque envolve experimentos e tecnologia, o que não significa que seja difícil ou chata. A ciência é uma excelente ferramenta no desenvolvimento do pensamento crítico, necessário em todas as esferas da vida”, aponta a Dr.ª Nathalie Cella, docente do Instituto de Ciências Biomédicas da USP.

A democratização da ciência pode ser a principal ferramenta para combate a chamada “pós-verdade”, conceito desenvolvido no ano passado que aborda o deturpamento de fatos e informações por discursos político-partidários, que resulta em “fatos alternativos” espalhados para o público em geral através das redes sociais.

Deixe uma resposta