Em meio a gerações

Ter filhos significa aumentar a população e seus impactos sobre o meio ambiente.  Mas também pode ser a chave para envelhecer melhor

Semanas atrás completei 40 anos.  Nunca achei que, ao chegar a esta idade, o que me definiria seria ter ou não ter tido filhos.  Talvez esta seja apenas uma das muitas coisas surpreendentes que acontecem quando a gente chega neste ponto da vida, nem criança nem velho.  Coluna do meio.

Houve um momento, nos meus 20 anos, em que o tal relógio biológico falou alto e me fez, momentaneamente, entreter a ideia de procriar.  A vida interveio, as ambições do trabalho, estudos, viagens e, finalmente, o comprometimento com a sustentabilidade.

Em geral, os ambientalistas e simpatizantes do movimento pela sustentabilidade gostam de prescrever um mundo com fertilidade em baixa, de modo a controlar a população e, com ela, os impactos sobre o meio ambiente.  A autora e blogueira Stefanie Iris Weiss, por exemplo, lembra que ter um filho nos Estados Unidos aumenta em quase seis vezes as emissões de carbono de uma pessoa ao longo de sua vida.  Não que, para começar, a pegada do americano médio – assim como de outros habitantes do mundo desenvolvido e dos que vivem na porção desenvolvida de países como o Brasil – seja pequena.  De qualquer forma, reza a cartilha verde, os rebentos aumentam a pressão por água, alimentos e recursos em geral e objetos de consumo em particular.  Se todos os filhos de cidadãos do mundo em desenvolvimento alcançarem o padrão dos americanos, o colapso baterá à nossa porta.

Foi nos meus 30 anos que a minha visão do assunto começou a mudar.  Talvez porque, sem a intensidade dos 20, eu começasse a ver que crianças trazem renovação, que podemos preparar as novas gerações para responder aos desafios ambientais e que tais gerações provavelmente viverão em futuro bastante diferente do que conseguimos modelar com base no presente.  Mais do que isso, talvez eu tenha percebido que, além do tal relógio biológico, há dentro de nós uma parte que espera continuar vivendo em nossos filhos depois que nos formos da superfície da Terra.  Apesar de todos os argumentos racionais sobre a tal bomba populacional, é como se estivéssemos “programados” para reproduzir.

Assim como com o meio ambiente, as visões sobre procriar ou não podem ser classificadas de igualitárias – aqueles que optam por não ter filhos em nome do interesse coletivo – e de fatalistas – os que acreditam que, como o colapso ambiental é inevitável, uma criatura a mais não fará diferença.  Há também a grande maioria que, candidamente, atribui aos outros a tarefa de fazer algo para evitar os problemas causados pela superpopulação.  Na Austrália, para onde me mudei aos 36, os casais que ganham neném recebem também um cheque de 5 mil dólares do governo.  Conheço várias famílias com três ou quatro filhos e sem preocupação alguma com o impacto para sua pegada de carbono.

Pessoalmente o que me fez descer do muro e decidir em favor de uma família maior foi o passar dos anos.  Aos 20 temos a consciência de que vamos morrer um dia, mas procedemos como se ela não existisse, assumimos riscos, gostamos de pensar que vivemos perigosamente.  Aos 30 estamos ocupados demais com trabalho, reputação, oportunidades.  Aos 40 parece que finalmente olhamos para a frente e passa a fazer sentido procriar – será que, com a maturidade, vem um certo otimismo?

Cientistas sociais estudam o chamado paradoxo de envelhecer: o fato de que o envelhecimento, embora traga o declínio de várias habilidades importantes, está associado a um maior bem-estar.  Uma das razões, apontam as pesquisas, é que os mais velhos extraem maior satisfação de suas relações sociais, especialmente com seus filhos e parentes jovens, e são capazes de resolver problemas interpessoais mais eficientemente.  Podemos assumir que ter filhos e uma boa relação com eles faz parte de envelhecer bem.

Há uma coisa, porém, que ninguém nos conta e é difícil perceber antes de chegarmos nesse meio do caminho, à beira de envelhecer: nem sempre – ou melhor, quase nunca – estamos no controle.  Eis que cá estou, aos 40 e sem filhos.  Mas ainda esperando que a natureza – com uma mãozinha da tecnologia – me dê a chance de adicionar mais um às gerações futuras.

9 comentários em “Em meio a gerações

  • 3 de outubro de 2011 a 21:32
    Permalink

    Flavia,

    Adorei o texto.

    Penso de forma semelhante a você quando comenta sobre os 20 anos e, sinceramente, não sei de daqui até os 40 essa minha percepção será modificada.

    De toda forma, eis um grande dilema da atualidade. Ter filhos ou não?! Eis a questão.

    Abraço.

  • 5 de outubro de 2011 a 04:11
    Permalink

    Obrigada pela leitura, Naia! A única certeza que temos é que tudo muda, e é interessante navegar esse dilema. Abraço, Flavia.

  • 5 de outubro de 2011 a 11:35
    Permalink

    Flávia.
    Gostei muito, muito mesmo do seu texto. Vc coloca de forma sensivel um tema tão indigesto. Eu estou perto dos 40 anos e resolvi ter o meu segundo filho. Eu acredito que temos sim que pensar em um certo controle de natalidade visando impactar menos o planeta. Mas precisamos criar individuos com valores e crenças que nos ajudem a construir um mundo melhor. Pois um dos grande desafios da vida humana e sim pocriar. Mas não apenas colocar alguém no mundo, mas passar 20 anos de sua vida ensinando a alguém a ter uma vida digna e cheia de valores e significados.

  • 6 de outubro de 2011 a 05:02
    Permalink

    Oi Marcos, concordo inteiramente contigo. A minha impressão é que essa parte de transmitir nossos valores e ver um ser humano se desenvolver e contribuir para o mundo a sua volta deve ser a mais legal de ter filhos. Obrigada pela leitura!

  • 6 de outubro de 2011 a 10:18
    Permalink

    Olá, Flávia.
    Interessante seu texto, pois me fez pensar.
    E penso de forma diferente. Não acho que estamos “programados” para reproduzir. Por isso, gostaria de acrescentar ao seu texto a opção “adoção”. Oferecer a alguém oportunidades que ela provavelmente nunca teria constitui-se em um dos mais belos gestos de amor. Antes de procriarem, as pessoas deveriam cogitar a idéia da adoção e se informarem a respeito. Fica a dica.

  • 14 de outubro de 2011 a 16:09
    Permalink

    Ótimo texto, realmente fala com sensibilidade sobre uma questão complexa. Ter filhos tem um lado pessoal, de satisfação, e um lado social, que temos que levar em conta.
    Minha visão sempre foi a de 20 anos, mas tem mudado com o tempo… estará chegando o otimismo?

Deixe uma resposta