Browsing: Deu na Página22

A agenda de adaptação à mudança do clima avançou muito timidamente no Brasil, o que impõe a necessidade de disseminar ainda mais este conhecimento para mobilizar governos, empresas e pessoas. O País, espantado a cada desastre climático, corre atrás dos prejuízos e sofre danos irreparáveis, como perdas humanas. Separamos aqui duas edições inteiras em que a Página22 mergulhou de cabeça no tema da adaptação, em 2013 e em 2016. Confira cada uma e veja o que avançou de lá para cá, e o que ainda precisa ser feito para prevenir, antes de precisar remediar

Se a História é contada pelo ponto de vista dos vencedores, é preciso recontá-la para olhar o futuro de outra forma, disse Djamila Ribeiro nesta entrevista concedida em 2016. Sem poupar a direita nem a esquerda, a filósofa cita o antropólogo Kabengele Munanda, segundo o qual o racismo no Brasil é um crime perfeito.

Um pouco de História ajuda a contextualizar o massacre na Faixa Gaza, em resposta à ação terrorista do Hamas contra israelenses, em outubro de 2023

A nova época geológica, que poderia ser oficialmente determinada em agosto, foi objeto de reportagem em 2008. A definição contribui para compreender o impacto humano, até então desastroso, sobre a Terra. Mas também serve para que um país como o Brasil se veja apto a protagonizar o Antropoceno 3.0, desta vez inteligentemente manejado

Já em 2012, o economista Pavan Sukhdev mencionava uma janela de 12 a 15 anos para o mundo promover uma transição ao baixo carbono. Doze anos se passaram e ainda há importantes corporações trabalhando justamente na direção contrária

Remunerar comunidades indígenas e tradicionais pelo serviço de proteger o capital natural brasileiro representaria uma revolução econômica, cultural e ambiental sem precedentes no planeta, já dizia Mary Allegretti em 2006. Para a antropóloga, somente uma política inovadora especificamente formulada para remunerar um serviço ambiental poderia manter vivas as áreas protegidas. Dezoito anos depois, o quanto avançamos nisso?