Web

webSacola Furada

Desvendar qual seria a melhor sacola para carregar compras causando o menor impacto no meio ambiente não é tarefa trivial. Quem, logo de cara, pensa que as ecobags são a escolha certa espanta-se com os resultados apresentados pelo Instituto Akatu, em estudo lançado em agosto: dependendo dos hábitos de consumo e da rotina de idas ao supermercado, as sacolas plásticas seriam mais “ecoeficientes” que as demais  alternativas. Intrigada com a questão, Página22 investigou os resultados mais a fundo –  afinal, os sacos plásticos transformaram-se em espécie de símbolo do consumo impensado de materiais que levam séculos para se decompor.

A primeira surpresa foi constatar que o estudo em questão admite apenas o período de 1 ano como ciclo de vida das sacolas. “Não consideramos todo o ciclo, porque ninguém sabe exatamente quanto tempo o plástico demora pra se decompor. E só trabalhamos com dados oficiais”, justificou Emiliano Graziano, gerente de ecoeficiência da Fundação Espaço Eco, que assina as conclusões.

O cenário levado em conta para avaliar os impactos do descarte – aterro sanitário ou reciclagem – também é distante da realidade brasileira. O estudo Ecoeficiência das sacolas de supermercado foi encomendado pela Braskem, fabricante da resina termoplástica. A Fundação Espaço Eco, por sua vez, évinculada à empresa química Basf.

Mundo a fora

Observatório animal
A organização Wildlife Direct é um site que abriga 75 blogs de projetos de proteção animal na África. A fundadora queniana Paula Kahumbu achou na internet o lugar ideal para dar voz às pessoas que arriscam suas vidas para salvar animais e ainda coleta doações. Há blogs, por exemplo, sobre a defesa de elefantes em Botsuana e chimpanzés em Serra Leoa, e entre os posts há relatos das aventuras de grupos conservacionistas, notícias de apreensões de marfim ilegal e fotos de filhotes resgatados das mãos de traficantes. Em agosto, um blogueiro denunciou uma onda de envenenamento de leões no Quênia, praticada por donos de gado. As doações vão diretamente para os projetos e pagam desde equipamentos para viagens até salários de guardas florestais. Segundo Paula, ao acompanhar os blogs, tem-se um mapeamento de ameaças à vida selvagem africana.

Filme de ficção e um embate real
O ano de 2011 é de comemoração para três das principais ONGs ambientalistas internacionais. Greenpeace e Amigos da Terra fazem aniversário de 40 anos e WWF, de 50. Como parte das atividades desse ano especial, o WWF lançou o curta-metragem Astonish me (ou Supreenda-me). No filme, um garoto faz um passeio por um museu e se depara com novas espécies de animais descobertas recentemente. Todas são reais e extraordinárias – dignas de filmes de ficção. A moral da história é que, enquanto 15 mil espécies são descobertas todos os anos, muitas outras já foram extintas ou estão em perigo e, para que possamos ter o privilégio de conhecer mais animais surpreendentes que a natureza abriga, primeiro devemos cuidar do que já conhecemos.

Vale o click

Arquivo Vivo
Desde setembro de 1986, semanalmente, uma personalidade é entrevistada no programa Roda Viva, da TV Cultura. Esse registro do pensamento contemporâneo e de sua evolução está disponível no site do projeto Memória Roda Viva, onde se encontra a transcrição de mais de 700 entrevistas. Várias pessoas passaram pela sala redonda mais de uma vez, o que torna os registros ainda mais interessantes e um arquivo histórico.

Psicodelia nas rochas
O geólogo italiano Bernardo Cesaro desvendou cores incríveis e fluorescentes em rochas. Ele fotografa fragmentos com a espessura de 1 milionésimo de metro e usa um microscópio e luzes polarizadas. As fotos já ganharam prêmios, mas ele afirma que o verdadeiro artista é a rocha. “Eu ajudo a dar vida às cores, mas os formatos e texturas já estão lá.”

Raios X da demografia
O jornal científico Science publicou um especial sobre demografia que levanta o debate sobre os desafios e oportunidades gerados pelo aumento da população mundial. Parte da produção está disponível de graça. Há textos, vídeos e podcasts. Vale o documento sobre a evolução da densidade demográfica desde o período Neolítico até os dias atuais.

Deixe uma resposta