No rastro da mineração

Documentário da Mídia Ninja mostra o preço alto que o os grotões pagam para que o Brasil seja um dos maiores exportadores de minério do mundo

Exibição do documentário em Belém (PA) (Imagem: Mídia Ninja/ Flickr)
Exibição do documentário em Belém (PA) (Imagem: Mídia Ninja/ Flickr)

“Na época do inverno essa água aqui fica toda vermelhinha, parece sangue”, revela um camponês, apontando para o rio que abastece sua comunidade. O curso d’água em questão é mais um dos impactados pela mineração, atividade econômica que engrossa a balança comercial do País.

A Mídia Ninja, em parceria com 130 entidades da sociedade civil, registrou no documentário Enquanto o Trem Não Passa os impactos socioambientais mais sombrios da mineração em três estados brasileiros. Contaminação de mananciais, drenagem de rios e trabalho precário são algumas das consequências retratadas na voz e imagem de habitantes de comunidades atingidas em Minas Gerais, Maranhão e Pará. O vídeo está disponível na íntegra na PosTV (confira também na janela ao lado) e já obteve 10 mil visualizações em menos de uma semana.

A obra contextualiza, sob a ótica das entidades, um momento decisivo para a mineração no país – tramita no Congresso Nacional um novo marco regulatório da atividade (leia mais em “Urgente pra quem?). O novo Código da Mineração traz pontos polêmicos, como a flexibilização das responsabilidades das empresas concessionárias e a possibilidade de exploração de minérios em territórios protegidos sem consulta prévia. O Comitê Nacional em Defesa dos Territórios frente à Mineração lançou ontem uma carta de repúdio à proposta de revisão de lei do relator Leonardo Quintão (PMDB), por considerar que coloca “a mineração como uma prioridade absoluta, acima de todos os outros usos do território”.

Leia mais:
Novo Código de Mineração é concebido sem o diálogo público necessário, em “Urgente pra quem?
Conheça a história da Mídia Ninja e outras iniciativas de jornalismo independente, em “Jornalismos Possíveis

 

Deixe uma resposta