Pelo consciente coletivo

Com quantos paus se faz uma campanha?  A navegação gratuita pela internet é certamente um meio eficaz, barato e cada vez mais acessível de conscientização ambiental.  E foi escolhida como um dos principais meios para se conduzir a mensagem de conservação dos mananciais brasileiros.  Capitaneada pelo Instituto Socioambiental, organização não governamental, a campanha De Olho nos Mananciais apóia-se no site www.mananciais.org.br para mobilizar cidadãos, governos e empresas.  Mas também se baseia diversos tipos de parceria a fim de espalhar o alerta sobre a gravidade do saneamento e da oferta de água limpa no País – e encontrar soluções.  (leia dados abaixo) A campanha conta com o apoio do Movimento Nossa São Paulo e do Fórum em Defesa da Vida.  “Estamos começando por São Paulo devido à sua dimensão, mas a idéia é espalhar a mensagem pelo Brasil”, diz Marussia Whately, coordenadora do Programa Mananciais do ISA.
Sem recursos financeiros de sobra, a criatividade conta pontos.Uma das maneiras de atingir o grande público foi fazer um acordo com o jornal PubliMetro, que freqüentemente divulga informações sobre a problemática e o melhor uso da água e é distribuído gratuitamente nos principais cruzamentos de São Paulo – são 150 mil exemplares por dia.  Atos públicos pela cidade, folhetos com dicas de economia distribuídos em condomínios residenciais e transmissões na TV do Minuto, assistido diariamente por milhares de pessoas no metrô paulistano, são canais de comunicação que o ISA também tem explorado.
Outro meio – bastante – circulante que o movimento encontrou foi o dos motoboys.  Estima-se que apenas em São Paulo os motoqueiros despejem no esgoto e nas ruas 400 mil litros de óleo usado nas motos.  Um acordo feito com o projeto Canal Motoboy alerta os motociclistas sobre esse tipo de contaminação, mostra formas de reciclar o produto descartado e busca conscientizá-los sobre questões ambientais.
No Brasil, 80% do esgoto é lançando no ambiente sem qualquer tratamento.
30% da população nas capitais brasileiras, ou 13 milhões de pessoas, não tem acesso a rede de esgoto
Nas capitais do Norte, apenas 10% do esgoto é coletado, e somente parte disso é tratada.
45% da água tratada no País é desperdiçada em vazamentos e roubos na rede.  Isso equivale a 2.500 piscinas olímpicas por dia e daria para atender 38 milhões de pessoas.
A campeã das perdas é Porto Velho, com 80% da água tratada jogada fora.  Em São Paulo, o índice é de 31%.
O consumo de água por habitante/dia supera os 220 litros em Vitória, Rio de Janeiro e São Paulo.  A ONU recomenda uso diário de 110 litros.
Fonte: ISA, com bases em informações públicas e pesquisas acadêmicas.
Com quantos paus se faz uma campanha?  A navegação gratuita pela internet é certamente um meio eficaz, barato e cada vez mais acessível de conscientização ambiental.  E foi escolhida como um dos principais meios para se conduzir a mensagem de conservação dos mananciais brasileiros. Capitaneada pelo Instituto Socioambiental, organização não governamental, a campanha De Olho nos Mananciais apóia-se no site www.mananciais.org.br para mobilizar cidadãos, governos e empresas.  Mas também se baseia diversos tipos de parceria a fim de espalhar o alerta sobre a gravidade do saneamento e da oferta de água limpa no País – e encontrar soluções.  (leia dados abaixo) A campanha conta com o apoio do Movimento Nossa São Paulo e do Fórum em Defesa da Vida.  “Estamos começando por São Paulo devido à sua dimensão, mas a idéia é espalhar a mensagem pelo Brasil”, diz Marussia Whately, coordenadora do Programa Mananciais do ISA.
Sem recursos financeiros de sobra, a criatividade conta pontos.Uma das maneiras de atingir o grande público foi fazer um acordo com o jornal PubliMetro, que freqüentemente divulga informações sobre a problemática e o melhor uso da água e é distribuído gratuitamente nos principais cruzamentos de São Paulo – são 150 mil exemplares por dia.  Atos públicos pela cidade, folhetos com dicas de economia distribuídos em condomínios residenciais e transmissões na TV do Minuto, assistido diariamente por milhares de pessoas no metrô paulistano, são canais de comunicação que o ISA também tem explorado.
Outro meio – bastante – circulante que o movimento encontrou foi o dos motoboys.  Estima-se que apenas em São Paulo os motoqueiros despejem no esgoto e nas ruas 400 mil litros de óleo usado nas motos.  Um acordo feito com o projeto Canal Motoboy alerta os motociclistas sobre esse tipo de contaminação, mostra formas de reciclar o produto descartado e busca conscientizá-los sobre questões ambientais.
No Brasil, 80% do esgoto é lançando no ambiente sem qualquer tratamento.
30% da população nas capitais brasileiras, ou 13 milhões de pessoas, não tem acesso a rede de esgoto
Nas capitais do Norte, apenas 10% do esgoto é coletado, e somente parte disso é tratada.
45% da água tratada no País é desperdiçada em vazamentos e roubos na rede.  Isso equivale a 2.500 piscinas olímpicas por dia e daria para atender 38 milhões de pessoas.
A campeã das perdas é Porto Velho, com 80% da água tratada jogada fora.  Em São Paulo, o índice é de 31%.
O consumo de água por habitante/dia supera os 220 litros em Vitória, Rio de Janeiro e São Paulo.  A ONU recomenda uso diário de 110 litros.
Fonte: ISA, com bases em informações públicas e pesquisas acadêmicas.

Deixe uma resposta