O que Jesus faria? Falando com evangélicos sobre mudança do clima

Por que pessoas religiosas em geral rejeitam o debate sobre a mudança do clima? Uma colunista do jornal The Guardian enfrentou os próprios preconceitos em relação aos evangélicos para buscar respostas entre as comunidades do Sul dos Estados Unidos. E descobriu que a agenda climática costuma ser colocada no mesmo rol “pecador” dos liberais, hippies e ambientalistas. Nos EUA, liberais são os progressistas. No Brasil, onde o liberalismo econômico tantas vezes vem junto com o conservadorismo nos costumes, o assunto tornou-se mais quente que nunca.

Abaixo, a coluna de Megan Bergman, que sugere uma mudança de discurso para conquistar adeptos na defesa do clima. Falar a mesma língua será fundamental. “Às vezes, o terreno comum se perde na semântica,” escreve. Acesse aqui o artigo original em inglês.

 

Por Megan Mayhew Bergman
Eu estava, francamente, nervosa em falar sobre mudança climática com pessoas religiosas no Sul dos Estados Unidos. Lutei com minhas próprias noções preconcebidas e experiências passadas, e fiquei surpresa quando conversas provocaram inspirações, até mesmo transcendentes.
Secular como sou agora, ainda penso com carinho no ministro [da Igreja] da minha infância, o Dr. Lehman, que adorava basquete universitário e Honda Accords (dirigiu 13 deles durante sua vida). Na conclusão de cada culto batista do Lakeside, ele chamava a congregação da Carolina do Norte para a ação. “Vá em frente”, disse ele enquanto o órgão começou a tocar, “e envolva-se no mundo”.
Minha família mudou-se mais tarde para Spartanburg, na Carolina do Sul, e minha experiência no ensino médio foi arrancada das páginas do roteiro de Footloose. Pais deserdaram os filhos gays; colegas questionaram abertamente a ciência da evolução na aula de Biologia; os líderes da Young Life colocaram uma promessa de abstinência na parede da cafeteria da escola pública.
Minha frustração daqueles anos às vezes me impediu de chegar das pessoas de comunidades religiosas, especialmente em questões políticas como a mudança climática. Estou ciente do meu próprio preconceito, da forma como foi formado por experiências negativas e de como isso limita meu entendimento sobre os fiéis e suas escolhas. Essa percepção me ajuda a entender por que os crentes podem, por sua vez, ter problemas para se conectar com alguém como eu.
Mas se vamos abordar a mudança climática a tempo de evitar resultados catastróficos, vamos fazê-lo tomando uma ação colaborativa com aqueles com quem discordamos. Eu me pergunto se discussões semelhantes estão acontecendo nessas comunidades, e por que não houve uma resposta mais palpável à mudança climática entre pessoas religiosas do Sul.
Embora os cenários de mudança climática tenham todas as características da narrativa bíblica – tempestades violentas, enchentes épicas, pragas, escassez de recursos, deslocamento de pessoas – é considerado um terreno político liberal. Scott Coleman, um batista praticante e o amável gerente ambiental da Little St Simons Island, uma faixa de litoral quase inexplorada ao largo da costa da Geórgia, diz-me que “a administração ambiental é frequentemente associada à política liberal, vista, assim, negativamente”.
O poder político do púlpito é inegável, mesmo no sul pós-Billy Graham, onde em muitos estados quase metade dos cidadãos assistem aos cultos da igreja. Não posso deixar de imaginar o enorme impacto que um movimento baseado na fé pode ter na aceleração da ação climática. Scott Coleman concorda. “Eu acho que se nossos líderes religiosos no Sul fossem mais sinceros sobre a importância do cuidado com a criação, seria um grande passo para ajudar a despolitizar as questões ambientais em nossa região”, diz ele. “E se pudéssemos despolitizar a administração ambiental no Sul, imagine o progresso que poderíamos fazer com a gestão ambiental”.
Conversei com crentes no Alabama, Mississippi, Geórgia, Flórida, Carolina do Sul, Carolina do Norte e Virgínia, e ficou claro que a principal barreira à ação climática é o fato de ela estar ligada à agenda liberal.

A ativista climática e autora Anna Jane Joyner, cujo pai é pastor de uma megaigreja na Carolina do Norte, escreve que ela cresceu agrupando “ambientalistas com hippies, liberais e todas as outras pessoas que provavelmente iriam para o inferno”.

Lucas Johnston, professor de Religião e Meio Ambiente da Wake Forest University, explica que “há uma antiga antipatia pelos sentimentos ambientais nos círculos cristãos, e especialmente evangélicos, porque eles foram, durante séculos, imaginados como perniciosos e perigosos, e possivelmente beirando o paganismo”.
Perguntei ao ex-congressista republicano da Carolina do Sul, Bob Inglis, por que discutir mudança climática é tão difícil no Sul. Defensor do crescimento da eco-direita e do livre mercado diante dos desafios da mudança climática, ele chamou o movimento ambiental de um pássaro com uma asa esquerda tão grande que não pode voar para frente.

A mudança climática é “raramente falada na linguagem do conservadorismo”, explicou ele. “Se você quer que alguém tenha um momento de conversão, ajude para que eles ouçam em seu próprio idioma, de alguém em quem confiam.”

Inglis tem tentado iniciar a conversa em círculos conservadores do Sul desde que teve seu próprio momento de conversão em uma viagem à Antártida em 2006. Um cientista perfurou o gelo, e Inglis viu, em primeira mão, o impacto da Revolução Industrial no registro do gelo, que revelou um longo período de estabilidade com um aumento repentino nos níveis de dióxido de carbono. Ele aceitou, então, o fato de que a queima de combustíveis fósseis mudou a química da atmosfera. Mais tarde, foi vaiado em eventos públicos por afirmar sua crença na mudança climática.

De fato, os evangélicos brancos masculinos ainda dominam as estruturas de poder e de tomada de decisão.
Veja, por exemplo, este vídeo de um debate preliminar do Senado do Partido Republicano de 2014 na Carolina do Norte, onde quatro candidatos, incluindo o senador Thom Tillis, negamem menos de um minuto que a atividade provocada pelo homem influencia a mudança climática. Tillis, que o Center for Responsive Politics reporta como tendo recebido mais de US $ 260 mil de petróleo, gás e carvão, conquistou o assento no Senado, com 63% de seus eleitores se identificando como evangélicos ou cristãos nascidos de novo. Noventa e cinco por cento deles eram brancos.
De acordo com a Pew, 77% dos católicos hispânicos provavelmente dizem que a atividade humana contribuiu para o aquecimento da Terra. Religiosos não-praticantes (64%) e protestantes negros (56%) também tendem a relacionar a mudança climática à atividade humana. O Pew ressalta que “menos protestantes da linha branca principal (41%) veem a mudança climática como ocasionada primariamente pela atividade humana… protestantes evangélicos brancos são menos propensos a ter essa visão”.
Quando a rabina Rachael Bregman se mudou para Brunswick, na Geórgia, disseram-lhe: os furacões não acontecem aqui. Então ela teve de evacuar fugindo dos furacões Irma e Matthew. “Ambas as evacuações estavam no topo dos dias sagrados, onde dizemos as palavras do Unataneh Tokef. É uma oração que pergunta: ‘quem pelo fogo, quem pela água … quem se afogou’ em relação ao fim da vida. Essas perguntas pareciam muito reais e não metafóricas”, ela me disse.
Sua sinagoga fica 12 metros acima do nível do mar e uma meia milha da beira do oceano. Durante furacões recentes, eles “evacuaram nossos cinco rolos da Torá, trancaram as portas e esperaram o melhor para o nosso prédio de 130 anos de idade. O que me surpreendeu ”, ela diz,“ é como pouco mudou e como pouco ativismo ambiental surgiu como resultado”.
Bregman, como muitos dos quais conversei, testemunhou a mudança climática em primeira mão e está ansiosa para ver mais receptividade nas comunidades religiosas. Ela fez mudanças pessoais, como trocar o carro por um modelo elétrico; ‘esverdear’ a sinagoga; e dar um sermão sobre mudança climática. Tony Lankford, o pastor sênior da Primeira Igreja Batista em Saint Simons, também melhorou o uso de energia e água da igreja, e organizou uma Cúpula da Equipe Ecológica Costeira para líderes religiosos discutirem a mudança climática.

Lankford sente que “independente das inclinações políticas ou teológicas, existe um acordo sobre o princípio básico de que Deus formou toda essa beleza ao nosso redor, e as escrituras [Gênesis 1-2] nos dão a responsabilidade de ser cuidadores dessa criação. Para mim, portanto, a má administração e o abuso da criação não são apenas imorais ou antiéticos, mas são pecaminosos”.
A maioria dos crentes do Sul com quem conversei relatou nunca ouvir a mudança climática mencionada em um sermão mas, como Lankford, poderia fundamentar sentimentos sobre a proteção da Terra nas escrituras, e sentiu que havia um forte imperativo moral para proteger o planeta e seus habitantes.
Vários mencionaram o livro de Katharine Wilkinson, Between God and Green: How evangelicals are cultivating a middle ground on climate change ajudando-os a articular uma base bíblica para tomar ações climáticas no futuro.

Quando Bob Inglis (político do Partido Republicano) – alguém com quem eu provavelmente discordo sobre várias questões centrais – falou com reverência sobre ver um cientista australiano ‘evangelizar’ sobre o mundo natural na Grande Barreira de Corais, eu pude reconhecer sua paixão pelo mundo natural como minha. Às vezes, o terreno comum se perde na semântica.
Inglis conquistou meu coração e mente ao converter-se de cético para um crente da mudança climática. O argumento emocional é o que mais me marcou desde a nossa conversa, e espero que outros céticos consigam ouvir seus filhos, como Inglis fez. Seu filho uma vez disse a ele, carinhosamente: “Seja relevante para o meu futuro. Mostre alguma coragem.”

“Há uma falta de ênfase na mudança climática no Sul devido à falta de conhecimento. Muitas vezes sentimos isso, mas não sabemos como articular o que vivenciamos.” – um seguidor da Igreja Unida de Cristo, Birmingham, AL
“Rejeitamos a noção de que Deus nos deu a Terra para fazer o que quisermos.” – um luterano de Atlantic Beac

Para saber mais sobre a relação entre religião e meio ambiente, acesse esta edição de Página22 e seu pdf completo.